Follow by Email

sábado, 13 de outubro de 2012

Soneto do mal estar estomacal

Essas coisas que lhe afligem quando sua janta não desceu muito bem...

Soneto do mal estar estomacal

Eu sou barriga vazia
Com coisas a vomitar
E vou expurgar o vazio
Até eu me eviscerar

Um tanto agonizante
A ânsia por expelir
Apago, mas num instante
Eu volto a me implodir

E temo que dedos singelos
Escapem do que espero
Desejo que saia daqui

Se com meus dedos singelos,
Já não consigo o que quero...
Ao vômito explodir

Nenhum comentário:

Postar um comentário